Print preview Close

Showing 8 results

Archival description
Estrada de Ferro Sorocabana Inquérito administrativo
Print preview Hierarchy View:

4 results with digital objects Show results with digital objects

Reclamação Trabalhista nº 7/1940

  • RC-FER-CNT-00007-1940
  • File
  • 23/12/1939 a 08/10/1941
  • Part of Untitled

A empresa instaurou inquérito administrativo para apurar a conduta do empregado, acusado de desídia habitual no desempenho de suas funções. Visto que a investigação não provou a falta, o CNT julgou improcedente o inquérito e determinou a reintegração do funcionário. A companhia apresentou embargos à sentença, oferecendo evidências de que o trabalhador não possuía direito à estabilidade funcional, portanto o Conselho declarou que a embargante não estava obrigada a instaurar inquérito administrativo contra o ferroviário, podendo este ser demitido sem qualquer formalidade.

Reclamação Trabalhista nº 4.224/1937

  • RC-FER-CNT-04224-1937
  • File
  • 24/03/1937 a 04/10/1937
  • Part of Untitled

A empresa abriu inquérito administrativo para investigar a conduta do empregado, acusado de embriaguez em serviço. Dado o falecimento do trabalhador, o CNT resolveu arquivar o processo.

Reclamação Trabalhista nº 13.724/1940

  • RC-FER-CNT-13724-1940
  • File
  • 11/06/1940 a 20/06/1942
  • Part of Untitled

A Estrada de Ferro abriu inquérito administrativo para apurar a conduta do funcionário, acusado de ato de improbidade. Visto que a investigação observou as Instruções do CNT, a Câmara aprovou o inquérito e autorizou a demissão do empregado. O acusado opôs embargos à decisão, que foram desprezados.

Reclamação Trabalhista nº 14.871/1937

  • RC-FER-CNT-14871-1937
  • File
  • 09/10/1937 a 04/03/1938
  • Part of Untitled

A Estrada de Ferro Sorocabana encaminhou ao CNT inquérito administrativo instaurado para investigar falta grave imputada ao funcionário Nestor Matias Pinto, acusado de abandono de emprego sem causa justificada. Considerando que o inquérito observou as Instruções baixadas por este Conselho, visto que o acusado confessou ter abandonado o emprego e não apresentou qualquer justificativa. O Conselho Nacional do Trabalho julgou procedente e autorizou a demissão do acusado.

Reclamação Trabalhista nº 7/1940

  • RC-FER-CNT-00007-1940
  • File
  • 23/12/1939 a 08/10/1941
  • Part of Untitled

A empresa instaurou inquérito administrativo para apurar a conduta do empregado, acusado de desídia habitual no desempenho de suas funções. Visto que a investigação não provou a falta, o CNT julgou improcedente o inquérito e determinou a reintegração do funcionário. A companhia apresentou embargos à sentença, oferecendo evidências de que o trabalhador não possuía direito à estabilidade funcional, portanto o Conselho declarou que a embargante não estava obrigada a instaurar inquérito administrativo contra o ferroviário, podendo este ser demitido sem qualquer formalidade.

Reclamação Trabalhista nº 4.224/1937

  • RC-FER-CNT-04224-1937
  • File
  • 24/03/1937 a 04/10/1937
  • Part of Untitled

A empresa abriu inquérito administrativo para investigar a conduta do empregado, acusado de embriaguez em serviço. Dado o falecimento do trabalhador, o CNT resolveu arquivar o processo.

Reclamação Trabalhista nº 13.724/1940

  • RC-FER-CNT-13724-1940
  • File
  • 11/06/1940 a 20/06/1942
  • Part of Untitled

A Estrada de Ferro abriu inquérito administrativo para apurar a conduta do funcionário, acusado de ato de improbidade. Visto que a investigação observou as Instruções do CNT, a Câmara aprovou o inquérito e autorizou a demissão do empregado. O acusado opôs embargos à decisão, que foram desprezados.

Reclamação Trabalhista nº 14.871/1937

  • RC-FER-CNT-14871-1937
  • File
  • 09/10/1937 a 04/03/1938
  • Part of Untitled

A Estrada de Ferro Sorocabana encaminhou ao CNT inquérito administrativo instaurado para investigar falta grave imputada ao funcionário Nestor Matias Pinto, acusado de abandono de emprego sem causa justificada. Considerando que o inquérito observou as Instruções baixadas por este Conselho, visto que o acusado confessou ter abandonado o emprego e não apresentou qualquer justificativa. O Conselho Nacional do Trabalho julgou procedente e autorizou a demissão do acusado.